Bayern de Munique não vai entrar na onda das transferências


O mercado de transferências sofreu forte inflação devido às recentes investidas do PSG, Barcelona e outros clubes europeus. Na contramão dessa investida, a administração do Bayern de Munique manifestou que não vai arriscar seu orçamento para concorrer com outros clubes e na retenção das maiores estrelas do mundo do futebol.

Na visão do clube é mais importante seguir a estratégia esportiva e financeira estabelecida do que se aventurar em compras de mais de 150 Mi de euros, como fizeram alguns de seus concorrentes.

Em junho, o clube alemão contratou Corentin Tolisso, de 22 anos, por 41,5 Mi de euros (mais 6 Mi de euros em bônus), valor recorde de compra tanto para o Bayern, quanto para Bundesliga.

Segundo informações do EcoFoot.fr, o presidente do clube, Uli Hoeness, disse recentemente que não pretende investir um valor de 9 dígitos no recrutamento de um jogador de futebol no futuro:

“Na minha opinião, não há jogador de futebol no valor de 100 milhões de euros. Mesmo que eu tivesse dinheiro, não gostaria de comprar um jogador por 100 milhões de euros. Isso seria um desperdício “ – Uli Hoeness ao SportBild, via Ecofoot

Para Hoeness, o exagero atual na valoração de jogadores de futebol pode ter um efeito tóxico sobre a paixão dos fãs. Ele ainda faz um apelo para os clubes encontrarem suas motivações, construindo políticas esportivas mais racionais e investindo seu dinheiro nas infraestruturas esportivas.

Recentemente o Bayern de Munique inaugurou seu novo centro de treinamento, com capacidade para 300 atletas da categoria de base, podendo abrigar também as equipes femininas. Neste centro foram investidos 70 Mi de euros. Além do investimento na formação de novos talentos, o clube espera melhorar sua técnica de formação e otimizar a entrega das futuras categorias de base.

A título de exemplo, o Manchester City é outro clube que está buscando alternativas na produção de novos talentos em detrimento da aquisição externa.

FC Bayern: Economia forte e responsabilidades

No quadro acionário do Bayern de Munique, Adidas, Audi e Allianz possuem ações na ordem de 8,33% cada. Portanto, há de se entender a posição do clube em não querer extrapolar o seu orçamento. Desde 2006 que o clube não registra prejuízo em sua operação anual. Um cenário satisfatório para os acionistas.

Na temporada 2015-16, o clube gerou um lucro recorde de 20,6 Mi de euros, com uma alta de quase 37% sobre 2014-15. 12 Mi de euros foram distribuídos em dividendos para seus acionistas.

Alguns dados financeiros do ano 2015-16:

  • Faturamento total de 587,7 Mi de euros (recorde)
    • Patrocínios: 169,8 Mi de euros
    • Merchandising: 108,2 Mi de euros
    • Lucro sobre transferências: 34,8 Mi de euros
    • Direitos TV: 83,4 Mi de euros
    • Outras atividades: 191,5 Mi de euros (Arena, futebol e outros)
  • Custos diretos com pessoal a 260,3 Mi de euros

O FC Bayern München está em excelente forma, operando no mais alto nível da Liga dos Campeões em termos financeiros, afirmou Jan-Christian Dreesen, CFO e Membro da diretoria do Bayern de Munique em um Press Release. […]. Nosso objetivo empresarial é a maximização do sucesso esportivo junto com a prudência financeira. Nosso poder financeiro contínuo será usado para fazer o investimento necessário em nosso time da primeira equipe para garantir que continuemos competitivos entre as equipes de elite na Europa

Não se esqueça de assinar o Gestão Esporte Clube para receber as novidades do site diretamente no seu e-mail. Siga-me no Twitter para novidades em tempo real!

Comente!