Premier League fica mais perto de transmitir partidas pela Internet


A Premier League pode estar próxima de mudar seu modelo de transmissão de partidas ao vivo. Rumores do mercado sugerem que a organização está avaliando o impacto econômico de uma potencial oferta de serviço de Streaming direta aos fãs. A informação é do portal Digiday.

Segundo o site, a decisão [de avaliar essa possibilidade] ocorre algumas semanas após o lançamento de um serviço de Streaming para a English Football League, a segunda divisão do futebol inglês. O novo serviço está disponível para fãs de fora da Grã-Bretanha e da Irlanda e funciona como uma TV digital. Ao contrário da EFL, a Premier League não tem nenhuma pressão comercial para apressar um produto over-the-top para o mercado.

Hoje a Premier League tem o contrato mais valioso de direitos de transmissão de futebol do mundo, com valor na casa de 10.6 Bi de dólares para a transmissão das temporadas de 2016 a 2019. Porém, há uma crescente aceitação na liga de que a transmissão via Streaming pode ajudar a abordar uma questão contemporânea relevante: o desequilíbrio entre o altíssimo valor dos direitos de transmissão pagos pela Sky e NBC e a queda do número de assinantes destes canais – como o observado em outras emissoras como a ESPN e a Fox.


Veja mais sobre como a Disney pretende salvar a ESPN da queda de assinantes clicando aqui.


Consequentemente, é uma questão de tempo para que a Premier League apresente alguma solução de transmissão online para seus espectadores. O que há para debater é a maneira como isso acontecerá: (1) apostar nos movimentos que as plataformas nativas digitais como Facebook, Amazon e Twitter estão realizando neste cenário. Uma escolha com risco menor, mas com ganhos menores. (2) desenvolver e menter um serviço autônomo. Com maior risco sobre a operação, mas mais oportunidades de rentabilização.

Apesar de ambiciosa, e mais propensa a seguir um caminho independente, a Premier League deve apostar em um modelo híbrido em parceria com um provedor de mídia esportiva com experimentação em um mercado menor, até chegar em uma solução definitiva que não prejudique demais as receitas com direitos de transmissão.

Este modelo está sendo experimentado pela NFL com a Perform, que vai comercializar a oferta direta ao consumidor [Streaming] em mais de 100 mercados fora dos Estados Unidos e Europa incluindo Austrália, Argentina e Coréia do Sul. A Premier League, preocupada com os riscos da crescente evasão de assinantes dos canais esportivos deve fazer algo semelhante em um mercado externo para estudar esse potencial novo modelo.

O fato é que todos os detentores de direitos esportivos estão avaliando os potenciais da migração das transmissões para o Streaming haja vista que o modelo atual de televisão está passando pela maior transformação de sua história. Adrian Pettett, CEO da Havas Sports & Entertainment reforçou , ao Digiday, que a maioria dos acordos deste ciclo terminam por volta de 2020, daí a urgência nestas avaliações:

“A aceitação de serviços de streaming on-demand foi rápida, mas se a mudança coincidirá com a próxima rodada de acordos de direitos é o grande desconhecido”, disse ele. “O mercado externo, particularmente na Ásia, dará uma indicação mais forte sobre a direção da viagem”.

Não se esqueça de assinar o Gestão Esporte Clube para receber as novidades do site diretamente no seu e-mail. Siga-me no Twitter para novidades em tempo real!

Crédito Img. Destaque

Comente!