Estudo revela que 12,6% dos atletas sabiam que estavam em partida manipulada


O combate contra a manipulação de jogos esportivos já dura mais de 30 anos e ainda parece que estamos longe de uma solução permanente. O agravamento dos casos desde a crise no futebol italiano dos anos 90 foi o estopim necessário para que a União Europeia tomasse a vanguarda e envolvesse os maiores órgãos de fiscalização e regulação da Europa no combate contra a corrupção e a manipulação de resultados no futebol e esportes em geral. De lá para cá UEFA, COI, Interpol e várias outras instituições tomaram iniciativas nessa luta.

Uma delas desenvolve estudos científicos com a finalidade de expor as raízes deste grave problema e reforçar as atuações das entidades regulatórias europeias. Essa iniciativa chama-se “Fix the Fixing” e é financiada pelo programa de educação europeu Erasmus + e coordenado pelo Departamento de Educação Física e Ciências do Desporto da Universidade Aristóteles de Thessaloniki (AUTH).

Corrupção individual e manipulação de resultados esportivos

O estudo mais recente da “Fix the Fixing” investigou a percepção de manipulação de resultados esportivos em mais de 600 atletas de 6 países europeus: Áustria, Chipre, França, Grã-Bretanha, Grécia e Irlanda e revelou que 34,7% dos entrevistados acreditam que jogos de seu nível de competição foram manipulados.

Os resultados preliminares da pesquisa mostram que 20% dos atletas estavam cientes de uma partida manipulada em seu esporte nos últimos 12 meses, enquanto 12,6% relataram que estavam cientes de que estavam envolvidos em um jogo manipulado.

Para agravar a situação, 15% dos atletas entrevistados relataram que foram abordados nos últimos 12 meses para manipular uma partida. Dentre eles, a maioria manifestou ter aceitado manipular o resultado de uma partida devido a dificuldades financeiras ou “para ganhar dinheiro fácil”. As informações são do portal insidethegames.biz.

Os atletas entrevistados competiam em 13 esportes diferentes, incluindo atletismo, badminton, basquete, futebol, ginástica, handball entre outras modalidades olímpicas e não-olímpicas.

Esquema básico de manipulação de resultados/Por Malene Hejlskov

Os resultados do próximo relatório, que deverá ser divulgado no final deste ano, destacam a falta de confiança demonstrada pelos atletas em relação aos órgãos de governo e a falta de proteção/segurança para denúncias relacionadas a manipulação.

“As descobertas acima mostram a extensão do fenômeno dos jogos manipulados e destacam a necessidade de um tratamento imediato através de intervenções educacionais cientificamente documentadas”, disse Vassilis Barkoukis, coordenador da FIX the FIXING e professor assistente de AUTH. – no insidethegames.biz

Mercado de apostas como sinalizador de possíveis manipulações de resultados

53 Alertas de apostas suspeitas foram levantadas pela Associação Europeia de Segurança em Esportes (ESSA) só no segundo trimestre deste ano. 59% destas vieram do tênis, as demais estando associadas a partidas de futebol (15 casos), basquete (5 casos), handebol e vôlei.

“As questões de integridade de apostas continuam a ser uma característica fundamental das discussões das partes interessadas […]. A ESSA solicitou ao Conselho da Europa (COE) que apresente um relatório em nome da indústria de apostas esportivas privadas, destacando os desafios que os operadores regulamentados enfrentam para alimentar os esforços em curso do CoE para ratificar a Convenção sobre a manipulação de resultados e implementar padrões internacionais. Este importante processo também contribuirá para a conferência de integridade da ESSA em Londres, em 12 de outubro “. Khalid Ali, Secretário Geral ESSA, ao SBCNews

No torneio de Wimbledon deste ano, 3 jogos foram sinalizados como suspeitos por atividades anormais no mercado de apostas. Os jogos estão atualmente sob investigação.

Não se esqueça de assinar o Gestão Esporte Clube para receber as novidades do site diretamente no seu e-mail. Siga-me no Twitter para novidades em tempo real!

Crédito: Img. Destaque / Map of a fix

Comente!